quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

ÉRICA MONTENEGRO ESCREVEU




Shakespeare e o Globo


No verão europeu de 1595, William Shakespeare escreveu sua peça mais famosa: Romeu e Julieta. Londres recuperava-se da peste, mas enfrentava revoltas populares causadas pela alta nos preços dos alimentos. Além disso, James Burbage, líder da companhia The Chamberlain’s Man, da qual Shakespeare fazia parte, estava doente, e não se sabia até quando manteria o grupo.



A tragédia de amor entre filhos de famílias rivais traz muito do clima de violência e desesperança daquele momento. Segundo o biógrafo de Shakespeare, Park Honan, Romeu e Julieta fez (e faz) sucesso justamente porque fala de amor e violência. “A graça e o mal – ou o amor e o ódio – habitam todos os seres sensíveis e, portanto, coexistem em cada coração, em cada cidade”, diz.




(Ford Maddox Brown - Romeu e Julieta)

Quatro anos depois, a The Chamberlain’s Man inauguraria o Teatro Globo em Londres e levaria a ele Romeu e Julieta, peça que já havia agradado a nobres e populares no Teatro Curtain. Com o Globo, pela primeira vez atores e autores tornaram-se proprietários de uma sala de espetáculos. "Isso deu mais liberdade a eles, em relação aos custos e ao conteúdo das peças”, diz o professor de literatura Peter Harris, da Universidade Estadual Paulista.



A primeira vez de Romeu e Julieta

A famosa peça foi encenada durante o dia.

Farta Audiência




Não se sabe ao certo a data de estréia de peça, mas provavelmente foi em 1599. E sua platéia era diversificada. Nas galerias, sob um telhado de palha, estavam nobres e intelectuais. O povão (artesãos, comerciantes, prostitutas) ocupou a arena, sem cadeiras e a céu aberto. A peça foi encenada de dia, como de hábito.



Roteiro adaptado



A trama de filhos de famílias rivais que vivem um amor proibido em Verona não era original. Em 1562, o poeta Arthur Brooke contou em 3 020 versos a mesma história. A genialidade de Shakespeare foi transformá-la em uma ode contra a violência, enquanto Brooke escreveu um texto com fundo moralista.


Atriz (?) principal






A primeira Julieta era um homem: Edward Kynaston, que encarnaria esta e outras personagens femininas de Shakespeare. Na Inglaterra daquele tempo, mulheres não podiam participar de peças. A primeira vez que uma mulher subiu num palco inglês foi em 1660, quarenta e quatro anos após a morte do dramaturgo.




Ator coadjuvante




Além de escrever, Shakespeare interpretava papéis secundários em suas peças. Em Romeu e Julieta, viveu o frei Lourenço – o atrapalhado religioso que sugere que a heroína simule suicídio para escapar do casamento arranjado pela família. Mais tarde, ele teria tomado parte do coro, grupo que apresentava os atos da peça.



Cenário improvisado



Como em outras peças do dramaturgo, praticamente não se usaram cenários. Mas isto não limitou a criatividade do gênio. Na peça, as cenas se passaram em ritmo acelerado justamente porque prescindiram de trocas de cenário e figurino. Uma mesa no centro do palco foi suficiente para indicar o túmulo de Julieta.




Peça pirata


Na Inglaterra elisabetana,o sucesso de um autor era comprovado pela produção de cópias falsas de seus textos. Atores e pessoas da platéia escreviam de cabeça os diálogos – e as versões saíam cheias de erros. O primeiro Romeu e Julieta pirata saiu antes de o Globo ser inaugurado, em 1597.


Diversão garantida



Teatro comportava 3 mil pessoas



Com 3 andares, o Globo era uma opção acessível aos ricos e pobres: a entrada custava entre 1 e 3 pennies (1 e 5 centavos do nosso Real).



http://historia.abril.com.br/cultura/shakespeare-globo-434310.shtml

Nenhum comentário:

Postar um comentário